PoliConteúdo Gallery...Haiti, 3 dias depois




Quero aqui inaugurar um novo sector do blog que mais não será do que uma galeria de exposição de fotos, seguindo a velha máxima "uma imagem vale mais do que 1000 palavras". As fotos poderão ser colocadas, temporariamente, em destaque também na página principal do blog.

Read more


Espanha em recessão, toma rédeas da Europa























A União Europeia (UE) do século XXI arrancou ontem com novo motor e um piloto de provas desnorteado pelos problemas internos. Caberá à Espanha, um país mergulhado no desemprego e na recessão, a difícil tarefa de conduzir a retoma económica dos 27 e desenvolver o quadro institucional previsto no Tratado de Lisboa.
A nova estrutura europeia diminui o protagonismo das presidências rotativas, mas o governo de José Luis Rodríguez Zapatero deverá lidar com problemas acrescidos. Em primeiro lugar, a incerteza institucional: a Comissão Europeia continuará em funções pelo menos até Fevereiro, ou mais tarde se algum comissário for rejeitado pelo Parlamento Europeu (PE). Por outro lado, o novo PE com poderes reforçados tentará reduzir o peso da Comissão e do Conselho, aumentando a rivalidade entre os diferentes órgãos da UE.
Espanha também deverá lançar o novo serviço europeu de acção externa, uma das principais novidades do Tratado. Mas o problema mais imediato que vai enfrentar não tem nada de novo: uma greve dos funcionários comunitários.
"O Conselho cortou, de maneira ilegal, o aumento salarial previsto, de 4% para 1%", explica ao i um funcionário espanhol em Bruxelas. "Por enquanto não se fala disto, mas vai dar muito que falar. O ano vai começar com uma greve", garante.
Os funcionários da UE marcaram uma assembleia-geral para a próxima quinta-feira. A greve pode atrasar ainda mais o trabalho da presidência espanhola, que curiosamente defendia o aumento previsto.
Madrid mantém como prioridade a aprovação da estratégia económica para 2020, o plano que deverá substituir a fracassada Estratégia de Lisboa. Pretende ainda introduzir mecanismos "vinculativos" que corrijam as deficiências da última década e penalizem os estados-membros que não cumpram os objectivos marcados pela futura "Estratégia UE 2020".
O MNE espanhol, Miguel Ángel Moratinos, assumiu que será uma "presidencia de transição" e prometeu "modéstia e discrição" para não eclipsar as funções dos novos rostos da UE: o presidente estável do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, e a chefe da dilpomacia, Catherine Ashton.

Fonte: Ionline

Deixo a questão a pairar no ar, terá sido a Espanha, envolvida em tamanha recessão, economicamente e socialmente debilitada, a escolha mais acertada para a condução da economia Europeia a uma bonança desejada?

Read more

Seguidores

Número total de visualizações de página

Web hosting for webmasters